Tracklist de n. 07 ao 12 · Julho à dezembro

    
     Hoje (02/03) faz um ano desde de que eu entrei na faculdade. Para saber mais sobre a minha história, clique aqui. Ah! Não
     esqueça de ler a publicação ouvindo a tracklist mensal.




Amadureci como nunca havia amadurecido. E, ainda que eu esteja no início dessa jornada, pela primeira vez, sinto que estou prestes a estar no comando da minha própria vida. Graças à ela: a vida adulta.  Trecho retirado da tracklist mensal de janeiro e feveiro.

Quando inciei a tracklist mensal, ainda em janeiro do ano anterior, estava com o coração repleto de gratidão e esperanças de que 2017 me traria todas as bençãos que 2016 não me trouxe. Hoje, já no novo ano (talvez não tão novo assim), posso dizer que 2017 me surpreendeu a cada dia. Ainda que tenha vivenciado um dia após o outro, tenham sido eles de calmarias e tempestades. De sossego e tranquilidade ou inquietação e alvoroço. Sintia-me numa montanha russa em looping infinito, sem direito a paradas para tomar um ar e, menos ainda, recuperar o fôlego.

Decerto que foi um dos anos mais marcantes e inesquecíveis da minha vida, daqueles que parecem cravar com ferro a fogo as minhas conquistas, as minhas batalhas, os meus anseios que, para o meu azar, viraram uma bela d'uma ansiedade, os meus medos, que pareceram virar um bicho papão, mas, como num fim de todo bom conto de fadas, ainda que moderno, foram superados pela personagem principal e, especialmente, o meu crescimento pessoal.

Tem sido difícil falar de tudo o que me ocorreu nos últimos meses. Esta é uma das razões pelas quais passei exatos quatro meses sem dar as caras por aqui.” Trecho retirado da tracklist mensal de março à junho.

Essa é uma citação retirada da última tracklist mensal, que cabe perfeitamente na situação atual. Tem sido difícil falar de tudo o que me ocorreu nos últimos meses. Talvez pela recência do fato. Talvez por ainda não tê-lo sequer começado a superá-lo. Talvez pela amnésia que insiste em me acometer e, por vezes, dá-me doses de lembranças de tudo o que ocorreu. O que posso dizer é que tudo aconteceu num curto espaço de tempo, cerca de 2/3 dias. De uma hora para outra. A princípio, tudo estava na sua perfeita normalidade. 24/7 conectada e fazendo uso de 100% do meu tempo. A rotina continuava a mesma, os meus hábitos também — exceto o meu comportamento. 

Estava sem pregar o olho há duas noites seguidas, ligada nos 220W. Já me aconteceu outras vezes, mas tudo não passou do quase. Do quase se estendeu para algo nitidamente maior, como deveras aconteceu. Pois bem, numa dessas madrugadas em claro, eu perdi totalmente a noção do tempo e dos fatos. A realidade parecia não existir. Estava vivendo dentro de um universo paralelo, aonde tudo era possível. Até mesmo os meus desejos mais profundos. Especialmente eles. Foi aí que eu surtei. E tudo ficou confuso e caótico. Eu não tinha a mínima condição de discernir aquilo que era real ou não. Nem mesmo se estava dentro de um sonho ou um pesadelo.

Os dias que se sucederam foram de um profundo vazio. Os meses também. Até algumas semanas antes. Não se sabe ao certo a causa, mas aposto minhas fichas num desgaste mental, possivelmente pelas barras que passei e venho passando nos últimos três anos. Percas, danos, falecimentos. Por meses fiquei devastada. Como se tivessem tirado de mim todas as forças que eu custei a adquirir. Não tinha ânimo sequer para fazer aquilo que eu mais amava: escrever. 

E parece que, na tentativa de equilibrar os meses anteriores, junho trouxe a calmaria que precisávamos. Espero que, de fato, o mau tempo tenha passado e levado consigo tudo de ruim que nos trouxe.” Trecho retirado da tracklist mensal de março à junho.

Agosto e setembro por fim ficaram para trás e os meses que se seguiram trouxeram consigo a esperança de um futuro melhor. O que de fato ocorreu, ainda que aos poucos, como toda recuperação costuma ser. Cinco meses depois posso afirmar que certas situações têm a permissão do Cara lá de cima, do Universo ou seja lá qual a divindade em que você acredita para acontecer, por mais dolorosas que sejam, para que aprendamos com elas e, sobretudo, para que não permitamos que elas aconteçam, em hipótese alguma, novamente.





Mas vamos falar do que é bãum? Vamos falar de música boa? A priori, teríamos uma playlist para os meses de julho à outubro e outra apenas para novembro e dezembro, mas como o meu radar musical não estava tão apurado assim para descobrir hits novos, acabei por associá-las e não que é ficou uma belezura? Me apeguei muito a essa playlist, assim como a de março, e tenho um carinho especial por cada músquinha que se encontra nela. Cuidem bem dela, tá? Desde já, adianto que temos Dua Lipa, Camila Cabello, IZA, Selena Gomes, Shawn Mendes e muito, mas muito The Vamps — minha mais recente paixão dos últimos meses. Usem e abusem!





pra tagarelar e ver umas imagens bonitas:


Da estante: Minha vida fora de série – 2ª temporada


    
   p.s: a resenha não contém spoilers.


Adivinhem só quem vai fazer resenha pela primeira vez? Isso mesmo, euzinha! Desde de que eu me entendo por gente, sou apaixonada pela leitura. As aulas na biblioteca sempre foram as minhas favoritas. E as publicações sobre livros, uma das mais deliciosas de serem feitas e lidas. Ainda que seja uma paixão de anos para anos, há muito que eu havia perdido o hábito da leitura e vinha sendo um verdadeiro desafio recuperá-lo. Passei por diversos livros (leia-se: quase todos os do meu nicho) até chegar em um que me prendesse, de fato, na leitura. Minha vida fora de série – 2ª temporada fez-me esquecer as horas, perdendo a noção do tempo e me deliciar com uma história outra vez.

Me dei de cara com a escrita da Paula Pimenta, pela primeira vez, por volta dos meus 15-16 anos. Lembro-me até hoje que o meu primeiro livro da autora eu ganhei de uma amiga super querida ainda quando estudávamos juntas no colégio. O exemplar era o segundo livro bestseller da série Fazendo Meu Filme (“Fani na Terra da Rainha”) e li insaciavelmente, seguindo pelos outros três livros. Desde então, pude conhecer a escrita inesquecível da Paula, uma mineirinha de Beagá que mais parece uma princesa nos envolvendo em seus contos de fadas, que cursou Publicidade e estudou Música (sim, você não leu errado!) e, para nossa sorte, decidiu que gostava mesmo era de escrever livros. 


Na trama de MVFS 2ª temporada, acompanhamos, mais uma vez, a saga da vida fora de série da Priscila. Agora, com 16 anos, ela encara questões mais sérias que alguns adolescentes enfrentam: a proximidade do vestibular e os seus anseios e desafios, amizades que parecem sólidas e que de repente se perdem, o aprendizado de um namoro que tem que ser constantemente cuidado para não se desgastar e as dificuldades de manter o amor e a confiança como base de um relacionamento e tantas outras questões e dúvidas de uma jovem da sua idade. Ah! E o legal também é que não acompanhamos apenas a vida da Pri, mas de todos os seus amigos e família, estejam eles em BH ou São Paulo.

O time do livro ocorre desde o aniversário de 15 anos da Priscila ao seu aniversário de 17 anos, perpassando por várias fases da nossa protagonista. Nesta edição da série, a Pri, já mais velha, encara situações que a exigem mais de si, desde os estudos e as atividades extras do colégio, como o Conselho Escolar e o Grêmio, aos desafios de manter as amizades numa fase tão conturbada e intensa, aos obstáculos lidados num relacionamento de anos com o Rô.


A Paula repetiu a fórmula que usou em FMF em MVFS ao dar o ponto de vista da Priscila e, algumas vezes do Rodrigo, tendo capítulos narrados por um dos dois, como também intercalar, entre eles, caixinhas de e-mail enviados entre os personagens, o que, particularmente, eu acho uma sacada muito boa de dar uma quebrada nos longos parágrafos e dinamizar a leitura, de modo a servir também para passagem de tempo. Além disso, fazem parte recadinhos, bilhetes, torpedos de celular e, o meu predileto, playlists da Pri e do Rodrigo ao final de alguns capítulos, sempre marcando uma fase do relacionamento dos dois e o mood daquele momento do personagem.

Minha vida fora de série – 2ª temporada está disponível em todas as livrarias e, pra sua, pra nossa sorte, em promo na Saraiva, no Submarino e nas Americanas, além das outras edições, já publicadas pela Paulinha, como a 3ª temporada e, a mais recente delas, a 4ª temporada, que acaba de sair do forno. Corre pra garantir a sua, hein? <3




pra tagarelar e ver umas imagens bonitas:

Tracklist de n. 03 ao 06 · Março à junho


    
    Leia o post ouvindo a playlist logo abaixo.


Tem sido difícil falar de tudo o que me ocorreu nos últimos meses. Esta é uma das razões pelas quais passei exatos quatro meses sem dar as caras por aqui. O último olá antes do chá de sumiço foi neste post, que, coincidentemente, é a nossa primeira tracklist mensal, prevista para transcorrer a cada dois meses. Ocorreram-me muitas coisas desde então. Passei por uma barra nas esferas pessoal, familiar e acadêmica. Acreditei que não sobreviveria a essa tempestade, mas eu estou aqui. Viva para contar a história. Ainda que me recuperando das feridas que ficaram e tentando assimilar tudo o que aconteceu. Incontáveis vezes abri o rascunho desta publicação e as palavras pareciam sumir da minha mente. Procurava as frases certas para tentar traduzir, em forma de texto, os acontecimentos que ocorreram. Sem sucesso. Desta vez, minha única pretensão é abrir as portas do meu coração e ver o que ele me diz.

Lembro-me bem que estava com a os nervos à flor da pele quando março se iniciou. E havia uma boa razão para isso. Eu estava prestes a entrar na universidade. Aquela que sempre esteve na minha cabeça desde o Ensino Médio. Que eu vivia dizendo que gostaria de estudar durante os cinco anos do curso tão desejado por mim. No dia 02/03, coloquei o pé direito aonde eu desejei estar durante todo o ano passado. Parecia que eu estava vivendo um sonho! Foi um momento muito especial na minha vida. Conheci novas pessoas, fiz amizades, tive uma nova rotina (até hoje ainda não decidi se amava ou odiava) e inúmeros aprendizados. Mas, nem tudo aconteceu como eu esperei.

LAS CHICAS DEL CABLE: sororidade feminina e a luta pelos direitos iguais na nova série da Netflix



Adivinhem só quem está com o coração quentinho por ter descoberto a mais nova produção espanhola da Netflix que retrata temas atuais em plena década de 20? Las Chicas del Cable (As Telefonistas, versão traduzida do título em português) é a primeira aposta do serviço de streaming mundial diretamente dos estúdios espanhóis. A série foi lançada no final de abril, e, desde então, parece-me estar sendo escondida no catálogo, uma vez que vi pouquíssimas pessoas comentando sobre. Talvez pela escassa divulgação que está tendo, diferentemente de outras originais Netflix amplamente divulgadas, a exemplo de 13RW, que causou muito burburinhos. Desse modo, sinto-me na obrigação de espalhar para o mundo a delícia e o potencial que essa belezura tem! Afinal, coisa boa merece ser compartilhada, né?

Las Chicas del Cable é um apaixonante drama que narra a vida de quatro mulheres que passam a trabalhar na sede da primeira companhia telefônica na capital de Madri – Espanha, em 1928. É protagonizado por Ángeles (Maggie Civantos), Carlota (Ana Fernández), Lidia (Blanca Suárez) e Marga (Nadia de Santiago), que se conhecem na seleção das telefonistas. Ángeles trabalha na empresa dos Cifuentes a longa data, e é altamente competente no que faz, a única das meninas a ser mãe e que já tem um marido; Carlota, filha de um importante militar da cidade, é totalmente liberal e luta com unhas e dentes pela equidade de direitos entre homens e mulheres. A fim de conquistar sua independência, deixa a vida de madame que levava para trabalhar e viver aos seus modos, causando uma revolta no pai que repudia totalmente sua atitude. Lidia esconde um passado misterioso das chicas e vê na oportunidade de trabalhar na companhia uma chance de melhorar de vida e vai utilizar-se da sua beleza e inteligência para isso. Já Marga é a ingênua do grupo, recém-chegada do campo, na busca por uma melhor condição de vida. Todas as garotas tem personalidades distintas e a série retrata cada uma delas com particularidade única.